Em 26/08/2014
 

Você tem medo de quê?

Aldo Christiano traz a questão dos medos, algo tão comum e que tem ocupado lugar de destaque no mundo contemporâneo. E você, tem medo de quê?


Você tem medo de quê?

 

Quer imprimir ou arquivar? Clique aqui.

 

Quantas vezes na vida nós tivemos medo e quantas outras vezes iremos experimentar de novo essa “terrível” sensação?  O coração dispara, a respiração aumenta, aparecem tremores no corpo, tonturas, palidez, sudorese exagerada, um frio na espinha, a mente trabalha diferente, fica parada em um estranho estado de alerta.  A adrenalina!  O medo é a mais visceral e talvez a mais antiga emoção do homem.

 

Temor, terror, susto, apreensão, apavoramento, fobia, assombro... o vocabulário é imenso. Temos medo de algo novo, desconhecido, potencialmente intimidador. Temos medo de muitas coisas. Mas medo de que?  Do perigo!

 

Vou tentar expor alguma coisa que pensei a respeito do que gostaria de falar sobre o perigo. E sobre o medo.  Uma coisa perigosa pode destruir alguém, mas por outro lado pode impedir essa destruição. O medo foi necessário para que a espécie humana se preservasse e sem ele, provavelmente, estaríamos extintos há muito tempo. É um sentimento vital que nos protege do perigo. Por medo fugimos do perigo. Também pelo medo podemos fazer justamente o oposto, movidos pela coragem e curiosidade de enfrentá-lo.

 

Frente a um perigo real, o medo desse algo real evita que a pessoa sofra alguns males e a coloca a salvo. Mas e o outro perigo? Aquele que vem de dentro, o que temos escondido na alma, o que não queremos ver nem tão pouco enfrentar? O medo desse outro perigo que defino aqui como conflitos internos, impede que se enfrente situações muitas vezes inaceitáveis que, se enfrentadas, poderiam levar a êxitos ampliando o repertório experimental e ampliando o conhecimento a nosso  próprio respeito.

 

Fugir de medo de um perigo do mundo físico é uma coisa.  Mas fugir de si próprio por medo, mesmo que esse medo represente uma defesa equivocada, não é possível. Esconder-se onde? Fugir para onde?  Esse medo que agora mudou num estreitamento, num apertamento, se transformou em angústia, um dos sintomas mais presentes nos problemas da mente, tanto em seu aspecto físico – sufocamento, palpitações, tonturas, sudorese – como no seu aspecto psíquico – ansiedade, apreensão, preocupação. É o padecimento da alma que agora tem que ser enfrentado.

 

Mas medo de quê?

 

Na clínica psicanalítica o que aparece muito são pessoas que entram em um processo de análise sem saber direito o que as leva até lá. Apresentam uma causa, mas sem o saber, a causa é outra. Não raro surge a questão do medo, mas ele vem disfarçado. O que emerge é o medo do amor.

 

O medo da falta do amor do outro. Medo e não sentir amor. Medo do desamor. Da perda do amor. Medo de não ser amado pelo outro. E esse grande Outro pode ser o Outro primordial – a mãe ou o pai. Ou a sociedade.

 

Tem um outro tipo de medo, talvez mais forte, que é o medo de descobrirem as nossas faltas, as nossas falhas, os nossos erros e enganos, e aquele bemescondido nosso lado obscuro, nosso lado “Darth Vader”.

 

E, talvez, o pior é o que podemos fazer em nome do amor, contra nós mesmos, em tentativas de satisfazer o desejo do outro em detrimento do nosso próprio.


 

 

 

Aldo Christiano

Médico,

Psicanalista em Formação pelo NPA/SPRPE

christiano.aldo@hotmail.com

Data de publicação: 26/08/2014

0 comentário(s) | Envie seu comentário
Envie seu comentário
Seu nome *

Seu e-mail *
Seu comentário *
Comentário(s)
 

Leia também

O Lobo e o Inconsciente 29/08/2018

Rodrigo Dillan escreve para o PsiQuo sobre o fenômeno do sinistro, sua relação com o inconsciente e a primitividade.

A Piada do Palhaço 18/06/2018

18 de Junho de 2018

ESSA TAL FELICIDADE 12/04/2018

Helena Pinho de Sá contribui com o psiquo com reflexões sobre a saude, felicidade e o tédio. Existe uma receita para ser feliz?

A parte que lhes cabe deste latifúndio 21/03/2018

O primeiro texto do ano são reflexões acerca da violência, política, sociedade, da condição humana. Qual o valor de uma vida? Somos todos Marielle?

Um ano mais 20/12/2017

O presidente do NPA, Adalberto Goulart, faz um balanço do ano de 2017

O menino dos dedos de agasalho 07/12/2017

Do fluxo do cotidiano, Cristina de Macedo extrai uma cena de beleza e delicadeza
Página anterior Voltar
Topo Topo
 
 
Google+