Em 08/09/2015
 

“Falsa Boda”: A Dificuldade de Amar e Ser Amado

No PsiQuo dessa semana, João Corumba chama a atenção para a dificuldade de amar e ser amado nos dias atuais, e afirma que vivemos em um constante divórcio entre a fantasia e a realidade.


“Falsa Boda”: A Dificuldade de Amar e Ser Amado

 

Quer imprimir ou arquivar? Clique aqui.

 

Recentemente vi uma reportagem que me chamou bastante atenção. Minha mente curiosa se envolveu em uma matéria a respeito de um novo evento que acontece nas terras vizinhas, na Argentina. É um evento no qual os jovens argentinos chamam de "falsa boda". Essa festa seria uma festa de casamento, só que um casamento falso.

 

Os jovens de La Plata criaram esse evento, pois desacreditados da possibilidade de um dia participarem do ritual de um casamento, poderiam participar pela fantasia, criando um espaço temático para tanto. O falso casamento se tornou uma VERDADEIRA festa. E, para, além disso, essa festa assume a vantagem de ser mais barata do que as baladas convencionais. É diversão garantida.

 

Mas diante de toda essa problemática, compro a interpretação de que não é somente a diversão em si que esses jovens buscam. Eles estão buscando um sentido de vida para esse vazio que é tão amedrontador. Frente ao contexto atual temos o tédio, o nada que existe por dentro e no discurso, a fantasia prejudicada, a ameaça de um mundo cada vez mais capitalista e competitivo, a dura realidade de ver brotar no solo da imaginação um impedimento de amar e ser amado por alguma razão contemporânea que se instala estúpida, a ignorância da alma que não reconhece o bom da angústia e da frustração para o crescimento, e diversas outras questões.

 

O amor se tornou uma ameaça, diz muito mais a respeito de um susto do que propriamente de uma alegria frente às possibilidades de dividir um pouco a dor da vida pelas carícias, ternura e sonhos diversos. As declarações de amor parecem fazer perder "o tesão da festa descompromissada". A dimensão afetiva recusada, a alma com identidade petrificada, não traduzem o desejo das mais profundas construções.

 

O falso casamento não se trata de um apreço pela lógica concreta do falso em si, mas da fantasia que, de alguma maneira, tenta preencher o buraco que denuncia a dor da ausência do ato de amar e ser amado. Esses jovens lembram e esquecem dessa dor quando promovem esse casamento que já assina o divórcio entre a realidade e fantasia. A realidade retorna com força visceral, e a festa temática de ontem, foi um sonho que falava de uma dor de uma geração. Tamanho sofrimento que era lembrado no início da festa, e esquecido no durante, pois o álcool fez a sua contribuição em abrir sorrisos ( sorrisos falsos?) para dar a continuidade de uma ilusão capaz de aliviar as tensões da solidão e do isolamento.

 

A condição do desamparo é aprofundada, a subjetividade encontra-se em risco, tal como afirmou a psicanalista argentina Silvia Bleichmar. Como podemos seguir nesse mundo onde as cores perderam a sua expressão de vitalidade? Até quando teremos de falsificar os sonhos para lidar com a ausência destes no âmbito do dia a dia?

 

Existem fantasias que realmente não podem conhecer a realidade, pois não são compatíveis a esta. Falam muito mais de um esforço inatingível do interior do sujeito. Porém, há fantasias que podem, de fato, casar com a realidade. O amor, por exemplo, sabe penetrar os dois mundos, e ser. E falando em SER... podemos pensar: “É isso que nos falta!”

 


'LA GENTE QUE NO SABE LO QUE QUIERE'

Litto Nebbia

La gente que no sabe lo que quiere
A veces dice que te quiere
Y eso te hace sentir muy mal
Tan solo les preocupa que uno sepa
Que por ese corazon, nadie se acerca

Jamas se atreverian a decir
cuanto te amo, muchas veces
por temor a ser feliz

pero les causa gracia que uno sea tan sincero
y te envidian, casi en secreto

La gente que no sabe lo que quiere
A veces encuentra quien la quiere
Jamas se atreverian a decir
cuanto te amo, muchas veces
por temor a ser feliz

pero les causa gracia que uno sea tan sincero
y te envidian, casi en secreto

La gente que no sabe lo que quiere
A veces encuentra quien la quiere
Y eso les hace mal, tanto mal

La gente que no sabe lo que quiere
A veces encuentra quien la quiere
Y eso les hace mal, tanto mal

La gente que no sabe lo que quiere
A veces encuentra quien la quiere

 

 

 

Acesse aqui a música do cantor argentino Litto Nebbia

Acesse aqui a reportagem sobre o evento da falsa boda

 

 

João Paulo Corumba de Santana

Psicólogo CRP 19/2697 e

Coordenador do Projeto Psicanálise e Literatura do NPA

jpcorumba@hotmail.com

data de publicação: 08/09/2015

0 comentário(s) | Envie seu comentário
Envie seu comentário
Seu nome *

Seu e-mail *
Seu comentário *
Comentário(s)
 

Leia também

A Piada do Palhaço 18/06/2018

18 de Junho de 2018

ESSA TAL FELICIDADE 12/04/2018

Helena Pinho de Sá contribui com o psiquo com reflexões sobre a saude, felicidade e o tédio. Existe uma receita para ser feliz?

A parte que lhes cabe deste latifúndio 21/03/2018

O primeiro texto do ano são reflexões acerca da violência, política, sociedade, da condição humana. Qual o valor de uma vida? Somos todos Marielle?

Um ano mais 20/12/2017

O presidente do NPA, Adalberto Goulart, faz um balanço do ano de 2017

O menino dos dedos de agasalho 07/12/2017

Do fluxo do cotidiano, Cristina de Macedo extrai uma cena de beleza e delicadeza

O monstro demasiadamente humano 30/11/2017

Texto escrito pelo psicólogo Rafael Santos, derivado de artigo publicado na Revista Psicanálise & Barroco (volume 15, 2017)
Página anterior Voltar
Topo Topo
 
 
Google+