Em 01/09/2015
 

A Raposa lembra ao Príncipe a importância do vínculo

Vidas transformadas em nada, invisíveis em um existir desvinculado. Confira o Psiquo de hoje.


A Raposa lembra ao Príncipe a importância do vínculo

 

Quer imprimir ou arquivar? Clique aqui.

 

“[...] - Minha vida é monótona. Eu caço as galinhas e os homens me caçam. Todas as galinhas se parecem e todos os homens se parecem também. E por isso eu me aborreço um pouco. Mas se tu me cativas, minha vida será como que cheia de sol. Conhecerei um barulho de passos que será diferente dos outros. Os outros passos me fazem entrar debaixo da terra. O teu me chamará para fora da toca, como se fosse música.

 

E depois, olha! Vês, lá longe, os campos de trigo?

 

Eu não como pão. O trigo para mim é inútil. Os campos de trigo não me lembram coisa alguma. E isso é triste, mas tu tens cabelos cor de ouro. Então será maravilhoso quando me tiveres cativado. O trigo, que é dourado, fará lembrar-me de ti. E eu amarei o barulho do vento no trigo...”

 

“[...] Assim o principezinho cativou a raposa. Mas, quando chegou a hora da partida, a raposa disse:

 

- Ah! Eu vou chorar.

- A culpa é tua, disse o principezinho, eu não te queria fazer mal; mas tu quiseste que eu te cativasse...

- Quis, disse a raposa.

- Mas tu vais chorar! Disse o principezinho.

- Vou, disse a raposa.

- Então, não sais lucrando nada!

- Eu lucro, disse a raposa, por causa da cor do trigo.”  (SAINT-EXUPÉRY,2000)

 

O trecho acima foi retirado do livro O Pequeno Príncipe, uma obra que traz como mensagem central o amor. O amor como vínculo, o amor como uma “liga” que conecta as pessoas e forma relação que aumenta vida. O vínculo/amor como pulsão de vida.

 

Promove reflexões sobre a importância do vínculo, do amor englobando empatia, respeito e responsabilidade. Aspectos que se fazem necessárias para época atual, apesar de promovidos em um livro escrito e publicado em contexto de guerra - ano 1943. Pertinência que soa, talvez, como uma denúncia aos tempos difíceis vividos pelas relações entre as pessoas atualmente. Como se permanecesse em guerra, uma guerra silenciosa na relação do humano com humano, do humano com mundo.

 

Momento, onde os vínculos parecem rompidos, inexistentes, como se predominasse na sociedade um funcionamento, no mínimo, narcísico. Uma assustadora indiferença apresentando-se no desenrolar das vidas em um viver de desencontros, um viver de vida que não reconhece vida levando a situações violentas de um existir desintegrado, desvinculado.

 

Um viver com situações tristes que vão de um extremo a outro: o humano utilizado como escudo para blindar carro usado em assalto (www.google.com.br/#q=assalto+do+banco+no+conde+Bahia), ou mesmo, o humano posto na carroceria de um caminhão, onde se deposita lixo, sob sol e chuva recolhendo o lixo de toda cidade diariamente.  O “não encontro” do ser humano convertido em coisa, em nada.    

 

Diante de um contexto de gente que não reconhece gente, uma fábula se torna inspiradora e nos encoraja para vínculo/amor. A raposa demonstra ao Príncipe a alegria de cativar e ser cativada, lembrando ao humano a importância do vínculo, como potência de vida, independente do tempo de duração. 



Ana Joaquina Freire

Psicóloga CRP 19/2763,

Aluna do curso de Psicoterapia Psicanalítica do NPA

joaquinafreire@bol.com.br

data de publicação:01/09/2015

 

 

1 comentário(s) | Envie seu comentário
Envie seu comentário
Seu nome *

Seu e-mail *
Seu comentário *
Comentário(s)
postado por Letícia em 06/09/2015 às 07:05

Excelente texto, está de parabéns Anã Joaquina.
 

Leia também

TEMPOS MUDADOS 21/11/2019

Aldo Christiano para o Psicanálise e Quotidiano

Suicídio: do desespero à escuta 23/09/2019

Idete Zimerman Bizzi

Violência 29/05/2019

Para esta edição do PsiQuo, Sônia Soussumi escreve sobre a "violência".

TECENDO CONHECIMENTO 29/04/2019

Vânia Rocha traz suas impressões sobre o processo de construção do conhecimento.

Projeto Psicanálise e Cinema 22/04/2019

Um Novo Despertar

ESTRANHEZA 05/04/2019

Para esta edição do PsiQuo, Idete Zimerman escreve sobre a percepção da estranheza e os vários “tons de verdade”.
Página anterior Voltar
Topo Topo
 
 
Google+