Em 22/07/2014
 

David Epelbaum Zimerman Agradecimentos

Este Psiquo, Idete Zimerman, nos presenteia com o seu depoimento sobre David Zimerman. Confiram!


David Epelbaum Zimerman Agradecimentos 

 

Quer imprimir ou arquivar? Clique aqui.

 

Há dezesseis anos, num sábado de verão, em Atlântida, meu pai abriu a Zero Hora, e viu a própria fotografia estampada no “Caderno Vida”, acompanhada de uma laudatória reportagem, por ocasião de seu falecimento. A homenagem, mais do que merecida, referia-se a um iminente colega psicanalista, de nome muito semelhante. A foto, porém, era equivocada. E em meio à tristeza pela partida do colega e amigo, meu pai foi capaz de reconhecer o lado inusitadamente risível da situação. Afinal, dizia ele, quantas pessoas podem ler sobre a própria morte no jornal? “Quem já não fantasiou a esse respeito ?”, brincava ele. Há uma semana, porém, chegou, de fato, a vez de meu pai, David Epelbaum Zimerman. Psicanalista. Escritor. Professor. Supervisor. Amigo. Colega. Pai para tantos...

 

Nascido em 1930, em casa, no bairro Bom Fim, em Porto Alegre, de parteira. Outros tempos. Tempos em que os jardins das casas tinham árvores frondosas, como aquele butiazeiro famoso na família, que dava frutos do tamanho de uma bola de tênis. Acredite quem quiser. Quarto filho de uma prole de seis, esperava-se de David que cedo ajudasse no orçamento doméstico, e se juntasse ao próprio pai no ramo do comércio. Mas o guri tinha uma veia rebelde. Saudavelmente rebelde. Soube, cedo, reconhecer seu sonho: ser médico. Mais de uma vez ouvi comentários elogiosos de seus colegas do tempo de faculdade, ressaltando a surpreendente capacidade que ele tinha de sintetizar as idéias do grupo, e dar sentido ao aparente caos. Reconhecendo esse traço em meu pai, um amigo o convidou a trocar a incursão que fazia na pediatria pela psiquiatria. Marcelo Blaya apresentou a meu pai o mundo fantástico da psicanálise, que tornou-se sua grande paixão, superada, apenas(e talvez), por sua eterna paixão tricolor. Estudando, escrevendo, atendendo no consultório, dando supervisão, realizava-se; amava o que fazia. Só isso já seria muito a se admirar, um grande exemplo. Mas havia mais.

 

Bem ao seu estilo didático, destaco algumas qualidades que, penso, tornavam-no tão especial, valendo-me de quatro “c”s. Coerência (sua vida, obra e trabalho se interligavam e se complementavam de forma natural e verdadeira). Continência (acho que a expressão “todo ouvidos” foi criada para ele). Coragem (para ser autêntico, e , eventualmente, diferente dos demais, pagando, muitas vezes, um preço por isso). Conhecimento (sólido, acumulado por décadas de estudos).

 

Os quatro “c”s terminaram, e eu tenho muito mais a dizer. Posso acrescentar mais alguns, quem sabe, criatividade, carisma, carinho... Mas terei que finalizar. Como finalizou a vida de meu pai. Só quem fica sabe a dor que sente, pai. Se nos fosse dado um momentinho a mais, eu iria te falar dos milhares de telefonemas, e-mails, homenagens que tens recebido, de todos os cantos do Brasil. Iria te falar de como disseminaste amor e conhecimento, e que os frutos do reconhecimento chegam numerosos e promissores. Queria te falar do quão querido e inspirador tu foste em vida, e do quão duro está sendo testemunhar teu ingresso na imortalidade. O último “c”, o da continuidade, é uma promessa, e uma certeza.

 

Em nome de minha mãe, Guite, de meus irmãos, Leandro e Alexandre, e de toda a nossa família, agradeço a vocês, amigos e colegas, que tanto prestigiaram meu pai em vida, e permitiram que ele fosse o professor, aprendiz, pensador, orador, profissional, e grande homem que foi, e ainda é em nossos corações.

 


Idete Zimerman Bizzi

Psicanalista, Membro associado da SPPA

idetebizzi@terra.com.br

data de publicação: 22/07/2014

 

3 comentário(s) | Envie seu comentário
Envie seu comentário
Seu nome *

Seu e-mail *
Seu comentário *
Comentário(s)
postado por Aline Vernier em 22/07/2014 às 22:16

Idete, que texto lindo que tu escreveste ao teu pai. Tive o privilégio de ouvi-lo falar e teu pai tinha um jeito todo particular de se comunicar. Os livros dele orientarão e contribuirão na formação de muitos profissionais e adoradores da psicanálise. Um abraço, Aline Vernier.
postado por Vitor Raskin em 23/07/2014 às 20:56

Idete minha querida de toda vida! Que linda essa homenagem que é o verdadeiro sentimento que todos como eu que pude conviver desde sempre com o tio David sentimos e nos orgulhamos. Beijo no coração!
postado por Anna Luiza Kauffmann em 26/07/2014 às 16:32

Querida Idete, Teu depoimento me comove. Parabéns pelo teu pai e por todo esse carinho que tu e o David nos passam. Beijo grande
 

Leia também

Violência 29/05/2019

Para esta edição do PsiQuo, Sônia Soussumi escreve sobre a "violência".

TECENDO CONHECIMENTO 29/04/2019

Vânia Rocha traz suas impressões sobre o processo de construção do conhecimento.

Projeto Psicanálise e Cinema 22/04/2019

Um Novo Despertar

ESTRANHEZA 05/04/2019

Para esta edição do PsiQuo, Idete Zimerman escreve sobre a percepção da estranheza e os vários “tons de verdade”.

A AMPULHETA E O TEMPO 30/03/2019

'O momento presente e o constante movimento da vida' é a temática trazida por Artur Ranieri para o PsiQuo desta quinzena.

Não Me Disseram 18/03/2019

Danilo Goulart faz um convite à reflexão ao questionar os motivos da violência que assola nossa sociedade.
Página anterior Voltar
Topo Topo
 
 
Google+