Em 10/06/2014
 

Notas sobre as pontas soltas

Danilo reflete sobre a necessidade de manter o pensamento e as expectativas em aberto sempre ao invés de continuamente fechar e concluir. Confiram!


Notas sobre as pontas soltas.

 

Quer imprimir ou arquivar? Clique aqui.

 

 

Logo após a publicação do meu primeiro texto aqui no Psicanálise e Quotidiano, recebi um comentário de uma psicóloga que dizia ter gostado muito do texto, que havia compreendido muito bem, concordado e falou que não havia deixado “pontas soltas”.

 

Respondi agradecendo, mas com um comentário extra: “na realidade o que eu realmente queria era soltar as pontas”.

 

Vivemos em um mundo que nos engessa, com condições predeterminadas, impostas, regras, leis, condições sociais. Criam certezas absolutas a cada segundo que passa, a cada minuto eu penso, que o que deveríamos fazer é questionar.

 

Para mim, toda e qualquer forma de desenvolvimento e crescimento, deve vir acompanhada de perguntas, questionamentos, autoquestionamentos.

 

Assim imagino que a intenção da produção de qualquer tipo seja realmente a de possibilitar que quem o faça ou os que o compartilhem, possam fazer algo além de concordar ou aceitar, mas também indagar, produzir novas idéias, “soltar mais pontas”.

 

Dessa forma tanto quanto questionamentos originários universais, penso que devemos sempre deixar as pontas soltas, para que a nossa expansão, crescimento e transformação tenham maior alcance, mantendo a continuidade do processo do conhecimento de si e de tudo, em diferentes vértices ou possibilidades. Devemos aceitar as nossas incertezas e incompletudes, para que o futuro-presente chegue a nós de forma pura, nova, criativa, e assim possamos realmente vivê-lo. Devemos estar abertos a contínua interrogação da vida.

 

Lembro-me de Sócrates e sua mais que famosa frase: “só sei que nada sei” demonstrando, para mim, a ideia de que o suposto conhecimento, as verdades ou certezas são transitórias, mutáveis, tanto quanto nós e tudo.

 

Devemos assim questionar as respostas que nos são dadas ou recebidas, tanto quanto as próprias perguntas.

 

Talvez até mesmo a manutenção da dúvida seja o próprio caminho.

 

De que temos certeza?

 

Até agora, acho que de nada. Mas talvez alguém também questione a própria incerteza.

 

a resposta é a desgraça da pergunta

Maurice Blanchot.

 

 

 

Danilo Gama Goulart

Graduando em Psicologia

Coordenador do Cinema e Psicanálise do NPA

daniloggoulart@hotmail.com

data de publicação: 10/06/2014

 

 

0 comentário(s) | Envie seu comentário
Envie seu comentário
Seu nome *

Seu e-mail *
Seu comentário *
Comentário(s)
 

Leia também

O Lobo e o Inconsciente 29/08/2018

Rodrigo Dillan escreve para o PsiQuo sobre o fenômeno do sinistro, sua relação com o inconsciente e a primitividade.

A Piada do Palhaço 18/06/2018

18 de Junho de 2018

ESSA TAL FELICIDADE 12/04/2018

Helena Pinho de Sá contribui com o psiquo com reflexões sobre a saude, felicidade e o tédio. Existe uma receita para ser feliz?

A parte que lhes cabe deste latifúndio 21/03/2018

O primeiro texto do ano são reflexões acerca da violência, política, sociedade, da condição humana. Qual o valor de uma vida? Somos todos Marielle?

Um ano mais 20/12/2017

O presidente do NPA, Adalberto Goulart, faz um balanço do ano de 2017

O menino dos dedos de agasalho 07/12/2017

Do fluxo do cotidiano, Cristina de Macedo extrai uma cena de beleza e delicadeza
Página anterior Voltar
Topo Topo
 
 
Google+