Em 18/02/2014
 

Algo Sobre Ousadia

Esta semana Rodrigo Goulart faz uma analogia entre as olimpíadas de inverno e a psicanálise. Confira!


 

Algo Sobre Ousadia

 

Quer imprimir ou arquivar? Clique aqui

 

Leitor, acontece neste momento os Jogos Olímpicos de inverno em Sochi, cidade da quase sempre gelada Rússia. Já tentaram assistir alguma partida ou apresentação? Sério? Sem morrer de tédio? Desculpem a minha ignorância, eu não. Uma emocionante partida de curling não é pra mim. Talvez o frio necessário para o esporte (?) provoque tal falta de entusiasmo. A torcida do time vencedor comemora com alguns poucos aplausos e, quando a partida é muito emocionante, um aperto de mãos.

 

Pois bem, dia desses navegando pela boa e (não tão) velha internet onde tudo se vê uma notícia me chamou atenção: uma patinadora americana estava disputando medalha com uma apresentação ao som do Pink Floyd, banda de rock inglesa que revolucionou a música dos anos 60 e 70 com suas melodias e arranjos ousados, letras questionadoras e de uma doçura ímpar. Estranho, né? Uma competição dominada por uma elite pré-moldada em um momento se ouvir um grito de guitarra distorcida e da cultura popular, junto com a estranheza conservadora presenciando o diferente. Não, nada estranho. A moça fez uma apresentação brilhante, flutuando sob a pista e os corações de gelo, alimentando a minha expectativa em vê-los derreter pelo calor das emoções. Bom, parte da expectativa foi agraciada, a patinadora ovacionada, aplaudida de pé, clamada e aclamada, e eu aqui na torcida.

 

A coragem da atleta ao caminhar na contramão me fez pensar no trajeto da própria psicanálise, na dificuldade e genialidade do Freud em pensar o impensável na época. Até hoje é preciso coragem, meu amigo, para continuar fazendo e mantendo viva a psicanálise, ciência/arte sempre questionadora, cheia de incertezas, tentando pelo tato desvendar os segredos mais íntimos da mente humana, dialogando com monstros pela essência subversiva e diferença, sendo muito mais fácil, cômodo e agradável se continuassem guardados, fazendo com que estes passem a trabalhar ao nosso favor, juntos, quase que em uma missão de paz.

 

A patinadora? Ganhou medalha de bronze, feliz com o resultado e continua ouvindo Pink Floyd. Eu? Acharia a de ouro merecida e continuo questionando.

 

 

Rodrigo Goulart

Graduando em Psicologia (UNIT)

rodrigogoulart-@hotmail.com

data de publicação: 18/02/2014

 

 

1 comentário(s) | Envie seu comentário
Envie seu comentário
Seu nome *

Seu e-mail *
Seu comentário *
Comentário(s)
postado por Sergio Buonamassa em 18/02/2014 às 07:56

Caro Rodrigo, Gostei do teu artigo, um conteúdo muito atual:CONTRAMÃO!!!!!! Pois é, o mundo está indo, ou melhor dizer, os homens andam direto na contramão. Estamos chegando onde o " que é errado está certo e vice versa".....E isso atinge todas as áreas, exatas, humanas, etc. E a psicanalise não poderia ficar por fora, claro. Corajosos são aqueles que, remam contra a correnteza, tipo a inversão de valores, contra regras, etc. Quanto ao tédio de um esporte invernal, entendo você, por não viver ou ter vivido, em um Pais onde por 8/9 meses ao ano, a temperatura é sempre beirando o 0ºC ou valores negativos, e o calor, quando tem, por pouquíssimo tempo está acima dos 20ºC.... E até as manifestações de "vitória" são "frias"...rsrsrsrsrsrsr Quanto à patinadora ter escolhido uma musica de um grupo que nos anos 60 e 70 era então de contramão, faz tempo que a parte Oriental, principalmente da Europa, introduziu a "CocaCola" nos hábitos alimentares....Mas que todos, possam sempre, expressar-se como, quando e com a música, neste caso, que mais desejam e gostam. Abração......Teu Amigo........!!!!!!!!
 

Leia também

A Piada do Palhaço 18/06/2018

18 de Junho de 2018

ESSA TAL FELICIDADE 12/04/2018

Helena Pinho de Sá contribui com o psiquo com reflexões sobre a saude, felicidade e o tédio. Existe uma receita para ser feliz?

A parte que lhes cabe deste latifúndio 21/03/2018

O primeiro texto do ano são reflexões acerca da violência, política, sociedade, da condição humana. Qual o valor de uma vida? Somos todos Marielle?

Um ano mais 20/12/2017

O presidente do NPA, Adalberto Goulart, faz um balanço do ano de 2017

O menino dos dedos de agasalho 07/12/2017

Do fluxo do cotidiano, Cristina de Macedo extrai uma cena de beleza e delicadeza

O monstro demasiadamente humano 30/11/2017

Texto escrito pelo psicólogo Rafael Santos, derivado de artigo publicado na Revista Psicanálise & Barroco (volume 15, 2017)
Página anterior Voltar
Topo Topo
 
 
Google+