Em 04/02/2014
 

Vai ter Copa? O espaço do torcer e o espaço do pensar

Nesta terça, Leonardo Siqueira traz a reflexão sobre a copa do mundo que acontece agora em junho de 2014. É momento para torcer? É momento para refletir?


Vai ter Copa? O espaço do torcer e o espaço do pensar

 

Quer imprimir ou arquivar? Clique aqui

 

Alguma coisa está fora da ordem, diria Caetano. Á medida em que estamos a pouco mais de 4 meses da Copa, vemos movimentações quase contraditórias. Por um lado, engajam-se empresas e governos, em torno da “Copa de Todos”, da “Copa das Copas”, as campanhas publicitárias vão sendo estruturadas, os outdoors vão surgindo. Por outro, o mundo assiste um tanto assombrado às movimentações do povo brasileiro. Pelas redes sociais, aparecem gritos de “Não vai ter Copa”, há cobrança, desgosto. Por que esse povo, tão identificado com o esporte, maior colecionador de troféus na história, haveria de não querer celebrar seu maior evento? O país do futebol pode ficar sem Copa?

 

Poderíamos dizer que o buraco, obviamente, fica mais embaixo. As manifestações de junho passado, em torno da Copa das Confederações, iniciaram um movimento que ninguém, nem políticos, nem jornalistas (e talvez nem psicanalistas) conseguiram de fato entender. Eu certamente não entendi, mas me proponho a colocar aqui minhas associações a respeito. Pois que, na esteira justamente do futebol, colocado sempre no lugar de “ópio das massas”, surge uma oportunidade rara para o povo: a oportunidade de pensar.

 

Tradicionalmente, poucos associariam o futebol a uma grande maturidade de pensamento. E não estariam errados, creio eu. O futebol sempre ofereceu aos que o acompanham descargas mais “fáceis” para as angústias e questões do dia a dia. Em meio aos outros milhares de torcedores, nos estádios, o objetivo é simples: a vitória. E quando ela vem, se abraçam todos, desconhecidos, das mais variadas origens e cores. É uma experiência libertadora, talvez quase religiosa – a união entre milhares e a redução de toda a complexidade do mundo ao “nós contra eles”. Se meu time puder ao menos marcar um gol, posso ir embora para casa tranquilo. Quantos não conhecem essa história? A da pessoa que, se seu time vence, fica feliz, eufórica. E se perde, irascível ou depressiva? O futebol mexe com necessidades muito básicas do homem, como suas necessidades de aceitação em grupo (o que é bastante ajudado pelos uniformes) e suas necessidades de expressão de sua agressividade (o que os árbitros podem facilmente atestar).

 

Se tal devoção é saudável ou não, se é boa ou ruim, é uma questão um tanto mais complexa. O que nos leva a outra reflexão, que diz respeito a outro espaço mental: o espaço do pensar. Pensar é uma atividade imensamente mais difícil do que o torcer, do que o agir. Enquanto o torcer tem relação com descargas de energia, o pensamento tem conexão com a retenção dela a fim de se encontrar a melhor resposta. É uma atividade que produz um bocado de angústia, justamente por ser um processo que evita a saída mais fácil, a da descarga simplificada.

 

A reunião em grupos (sejam amigos, torcidas, partidos), a defesa das bandeiras (de futebol ou de outras coisas), são todos mecanismos que reduzem o nível de pensamento para que seja possível a convergência em torno de um destino (um time ou um candidato, por exemplo). Esse processo é vital para a civilização, de uma maneira fácil de se imaginar: se todos tivéssemos que lidar com as mínimas diferenças de todos os participantes de uma torcida, antes de decidir que poderíamos torcer para alguém, não haveria uma só decisão tomada no mundo.

 

Porém, como as manifestações de junho passado nos mostraram, há muito mais coisa por trás do futebol do que imaginávamos. E poderíamos pensar que esse seria o “inconsciente” do futebol: o mundo das decisões econômicas das vendas milionárias, e das decisões políticas que envolvem a todos nós, os anfitriões.

 

A chance que temos agora, neste próximo junho, é justamente a de poder trafegar em ambos os espaços: o do torcer, apoiar nossos times e, por que não, nosso país como um todo. Mas também teremos oportunidade para exercitar nosso pensamento, de que há muito dinheiro e muita política por trás de toda a estrutura e festa sendo montada. Como isso afeta a todos nós e ao nosso futuro? Não é um tempo de respostas fáceis, e nenhum jornal ou revista poderá explicar facilmente o que aconteceu ou acontecerá. Mas essa é a batalha do pensamento: a de persistir apesar da resistência em busca dos caminhos mais saudáveis, seja para uma pessoa, seja para toda a sociedade.


 

 

Leonardo Siqueira Araújo

Membro do Instituto de Psicanálise do Grupo de Estudos Psicanalíticos de Minas Gerais

leosiqueira@gmail.com

data de publicação: 04/02/2014

 

 

 

 

 

 .

1 comentário(s) | Envie seu comentário
Envie seu comentário
Seu nome *

Seu e-mail *
Seu comentário *
Comentário(s)
postado por Sergio Buonamassa em 04/02/2014 às 07:18

"Pão e Circo"...Uma máxima latina, traduzida......O povo precisa de algo que o mantenha ocupado, que não faça "pensar" enquanto POUCOS tramam falcatruas, desvios de dinheiro, fecham acordo que não têm nada de licito,etc. etc. etc...Acontecia isso tudo na antiga Roma....E sendo que a historia é cíclica, agora está repetindo-se isso....Haverá a Copa sim, mesmo com todas as manifestações populares, pacificas e menos pacificas, e só depois, saberemos quanto "custou" este evento, do ponto de vista social, educacional, etc. etc. etc. Não tem como, agora, parar tamanho evento, "business is business" e custe o que custar, isso deve acontecer....Ainda não sabemos quantos trabalhadores morrerão para que as obras sejam finalizadas( e serão) em tempo.....Convido a PENSAR, quanto vale uma vida humana...Se é que tem preço......Parabenizo o autor da matéria e aproveitei para fazer o meu comentário....Mas é algo muito profundo e complexo, muito além da "razão psíquica".....E concluo que, o esporte em questão, o futebol, de "racional e lógico" não tem absolutamente nada. Boa leitura para todos.....Abraços....Sergio.
 

Leia também

O Lobo e o Inconsciente 29/08/2018

Rodrigo Dillan escreve para o PsiQuo sobre o fenômeno do sinistro, sua relação com o inconsciente e a primitividade.

A Piada do Palhaço 18/06/2018

18 de Junho de 2018

ESSA TAL FELICIDADE 12/04/2018

Helena Pinho de Sá contribui com o psiquo com reflexões sobre a saude, felicidade e o tédio. Existe uma receita para ser feliz?

A parte que lhes cabe deste latifúndio 21/03/2018

O primeiro texto do ano são reflexões acerca da violência, política, sociedade, da condição humana. Qual o valor de uma vida? Somos todos Marielle?

Um ano mais 20/12/2017

O presidente do NPA, Adalberto Goulart, faz um balanço do ano de 2017

O menino dos dedos de agasalho 07/12/2017

Do fluxo do cotidiano, Cristina de Macedo extrai uma cena de beleza e delicadeza
Página anterior Voltar
Topo Topo
 
 
Google+